A INCRÍVEL HISTÓRIA DO SKATE EM 13 FATOS



Se liga, que neste post a Repé separou 13 fatos que fizeram parte da incrível história do skate no Brasil e no mundo. Na moral, cola nesse resumão e vem com a gente entender a origem e a evolução do carrinho.


1 - O SKATE ANTES DOS SURFISTAS


A origem do skate carrega suas lendas e é, no mínimo, um tanto quanto curiosa.


Sabemos que as primeiras versões do que viria a ser o skate como conhecemos hoje surgiram com os surfistas na década de 1950. Porém, uma nova explicação sobre as origens do carrinho vem sendo difundida recentemente.


Conforme o historiador de skate Eduardo Yndyo Tassara, os primeiros relatos que se têm sobre a origem do skate é de 1918:


Um garoto norte-americano conhecido como Doc “Heat” Ball teve a genial ideia de desmontar os patins da irmã e colocar suas rodas em uma tábua de madeira.


Com um joelho apoiado na estrutura da sua invenção e dando um impulso com o outro pé, Doc dava início à essência do skate...


2 - O MAR NÃO DEU ONDA? POR QUE NÃO SURFAR NO ASFALTO?


Essa foi a brisa que bateu nos surfistas californianos no ano de 1950, quando cansados de esperar por boas ondas que não chegavam, decidiram criar algo similar ao surfe, como? Tirando as rodinhas dos patins e colocando em uma tábua que imitava uma prancha.


A versão mais conhecida sobre a origem do skate começava aí, com os surfistas californianos criando o que chamavam de sidewalk surfing, ou seja, o surfe de calçada.


Em pouco tempo, a prática já havia se espalhado por grande parte dos EUA.


3 - DA PRAIA AO ASFALTO

Foi nos anos 1960 que o skate passou a ser chamado, enfim, de skateboarding.


O nome surgiu em 1963, quando já existiam muitos praticantes de sidewalk surfing que criaram uma identidade própria para o esporte, com manobras características dele. Nesse tempo, o skate já era fabricado e comercializado em séria pela marca Roller Derby, porém, com shapes retos e rodas de aço (essa versão não engatou muito, o rolê era nada estável devido a falta de aderência das rodas).


primeiro skate - roller derby - preto e branco - história do skate

Outra marca que entrou no mercado junto com a Roller Derby foi a Makaha, primeira a produzir um novo design, lançando shapes em formato de pequenas pranchas de surfe.

primeiro skate da historia - makaha skate - skate anos 60 - menino andando de skate nos anos 60

4 - SUBINDO PELAS PAREDES:

A EVOLUÇÃO DO SKATE PARA A MODALIDADE VERTICAL


Na década de 1970, a Califórnia passou por um período de secas, o que fez com que muitos proprietários tivessem que esvaziar suas piscinas.


Mais uma vez, os surfistas viram ali uma oportunidade para a prática do skate: as piscinas vazias eram perfeitas para andar com o carrinho, pois lembravam as transições das ondas de surfe.


Esse fato é retratado em um dos filmes mais icônicos sobre skate: "Os Reis de Dogtown", que tem como base a história dos Z-Boys, influente grupo de skateboardes que revolucionaram o esporte nos anos setenta.


Outra baita invenção dessa época que elevou o esporte a outro patamar foi a rodinha de poliuretano.


Bem mais resistentes à abrasão e com melhor qualidade de aderência, as novas rodinhas permitiram que os skaters explorassem novas manobras e possibilidades.


Nesse período, o skate dava um salto: novas modalidades eram criadas como Slalom, Downhill, Freestyle e Vertical.


5 - MÚSICA, SKATE E ATITUDE STREET


Em 1980, o punk rock, o hip hop e o rap despontavam em todo mundo. A cultura das ruas ganhava espaço e como tal, teve grande influência e foi influenciada pelo skate.


É também nesta época que surgem as rampas de madeira, muitas vezes construídas nos quintais das casas, ruas e praças pelos próprios skatistas, assim, o skate street surgia e ganhava força.


Corrimões, escadas e paredes, tudo servia aos skatistas para suas manobras.


A prática do skate começava a dominar as cidades, o freestyle com suas manobras em sequência emergia e com ele grandes atletas como Rodney Mullen, responsável pela criação de nada menos do que 39 manobras, como: casper, flip, 360 flip, bs flip, body varial, entre várias outras.


Rodney Mullen skatista fazendo manobra nos anos 80

Mais do que novas manobras e modalidades, um novo estilo de vida surgia, chegando pra somar nas ideias, no som, e no modo de se vestir dos skatistas, demostrando como a música e a cultura urbana sempre estiveram atrelados ao universo do skate ( um bom exemplo dessa conexão é a banda Repé, esta que vos fala).


6 - OS ANOS 1990 E O "PELÉ DO SKATE"


Como sabemos, a década de 1990 chegou chegando e no skate não foi diferente.


Novas tecnologias para os equipamentos, inovações, mais técnica e grandes manobras, a década de 1990 iria marcar a história do skate e com ela o grande nome do esporte até hoje: Tony Hawk, skatista considerado por muitos como o "Pelé do skate".


Entre as "proezas" de Hawk, além de mais de 80 títulos ao longo da carreira, está o feito de ter sido o primeiro a realizar o giro 900 graus no X-Games de 1999, o que o consagrou como o maior atleta do skate vertical da história.


Ahh, e nesse mesmo ano, foi lançado a primeira edição do popular videogame "Tony Hawk's Pro Skater", para o PlayStation. Baita ano para Hawk e o skate.


E falando em X-Games, importante ressaltar que a competição foi criada em 1995, pela ESPN, e se tornou uma das maiores competições da modalidade, popularizando ainda mais o skate em todo mundo.


Desde então, o skate vem ganhando cada vez mais visibilidade através de campeonatos diversos como: Tony Hawk Gigantesc Tour, Dew Tour, Mega Rampa, Street League Skateboard, entre outros.


7 - AS PIONEIRAS NO SKATE


Muitos não sabem, mas a primeira mulher na história a ter um skate feito exclusivo pra ela foi Linda Benson, famosa surfista californiana nascida em 1944, inclusive, tão reconhecida que também foi a primeira a ser capa de uma revista especializada em surfe e modelo feminina de skate no mundo.


primeiras skatistas do mundo. jornal antigo com Linda Benson andando de skate
Linda Benson posando para a marca Hansen, em 1960.

Agora, se formos falar da primeira skatista profissional, esse feito cabe a Patti McGee, que assim como Linda Benson, também começou no surfe.


Patti venceu o primeiro campeonato feminino de skate da história em 1965, ganhando fama mundial e a capa da revista "Life":

capa histórica da revista life com Patti McGee na capa plantando bananeira no skate
Patti McGee capa da revista Life em 1965

Após vencer o Campeonato Nacional Feminino de Skateboard em 1965, Patti McGee foi capa da revista "Skateboarder". Sua influência no esporte, com certeza inspirou muitas skaters pelo mundo.



8 - O SKATE NO BRASIL SIL SIL


Foi na década de 1960 que o skate chegou no Brasil, mais especificamente, no Rio de Janeiro.


Aqui na terrinha, o skate ficou conhecido como "surfinho" e era praticado como o menino Doc Heat Ball fazia: eixo e rodas de patins presos em um pedaço de madeira.


Foi nos anos 1980 que o país cravou seu nome no skate com Lincon Ueda.


O skatista que ficou em quarto lugar no campeonato mundial de skate da Alemanha em 1989, demostrando o alto nível de talentos que emergia no cenário nacional.





9 - SKATE NO BRASIL: UM CASO DE POLÍCIA?


Foi exatamente na época em que o skate vivia seu ápice de popularidade no Brasil, que o esporte foi marcado por um episódio lamentável.


Em 1988, o então prefeito de São Paulo, Jânio Quadros, proibiu a prática do skate na cidade. Isso mesmo, o skate virou caso de polícia, e por quê? Motivos banais e moralistas que apenas atrasaram o lado de toda galera que andava de carrinho.


Nem mesmo a organização dos skatistas, que se uniram em protesto contra o prefeito ao mesmo tempo em que reivindicavam a liberação da prática do skate, foi capaz de fazer Jânio Quadros voltar atrás.


Foi somente quando Erundina, mulher nordestina de 53 anos, derrotou Jânio nas urnas, é que o skate voltou a ser legalizado na maior cidade do país.


Esse fato e outros que marcaram a história do skate no Brasil, podem serem vistos no documentário "Vidas sobre Rodas", primeiro longa-metragem de skate produzido no país.


10 - MAIS UM FEITO BRASILEIRO SOBRE AS QUATRO RODINHAS


Nos anos 1990, o carioca Bob Burnquist chega pra consolidar de vez o skate brasileiro no cenário mundial.


Burnquist revolucionou o skate, não apenas por suas habilidades e inúmeras conquistas, mas por aprimorar a técnica que ficou conhecida como Switchstance vertical, ou seja, a partir disso, o skate não teria mais o lado frente ou o lado trás.


O que Bob aprimorou e mostrou ao mundo foi a prática de andar no carrinho com a base trocada.


Falamos aprimorou, pois essa prática já era conhecida na modalidade street, contudo, foi Bob que a levou para a modalidade vertical.


Essa técnica quadruplicou o número de variações possíveis nas manobras. Dominar Switchstance vertical é indispensável para qualquer skatista que pretende competir nos dias de hoje.


Não bastando, Bob foi o primeiro skatista brasileiro a vencer uma etapa do campeonato mundial de skate vertical em 1995, no Canadá. Quando ninguém esperava, o brasileiro chegou, "sentou na janela", e ainda mostrou como deveria ser o skate vertical dali em diante.


E como gostamos de indicações, segue mais uma: o documentário "Dirty Money" conta a história do skate no Brasil, principalmente nos anos 1990, vale muito assistir!


11 - NEM SÓ DE FUTEBOL VIVE O HOMEM


Segundo pesquisa do Datafolha de 2016, o skate tem mais de 8,5 milhões de praticantes no país.


Esse número mais que dobrou se comparado a última pesquisa feita em 2009.


Nesse cenário, o número de mulheres que praticam o esporte também aumentou. Hoje, cerca de um milhão e seiscentas mil minas estão andando de skate no país.


Nem só de futebol vivem os brasileiros, mas também de skate: estamos entre os países que possuem mais profissionais e amadores. Além disso, a indústria do skate no país é a segunda maior do mundo, fabricando peças, roupas, e equipamentos da modalidade.


12 - O SKATE NOS JOGOS OLÍMPICOS


E como a história dá voltas, o skate, esporte que muitas vezes foi encarado como "marginal", ganha o mundo, e a partir das próximas olimpíadas de 2021, a modalidade passa a ser oficial nos jogos olímpicos.


O skate entra nas olimpíadas em duas modalidades: park e street, nas categorias masculino e feminino.


13 - DIA MUNDIAL DO SKATE


Sabemos que para nós skatistas, todo dia é dia do skate, porém, entretanto, todavia, o carrinho também ganhou uma data de comemoração mundial.


O dia mundial do skate foi criado em 2004, pela International Association of Skateboard Companies, sendo comemorado na maioria dos países em 21 de junho.


Aqui chegamos ao fim dessa breve retrospectiva da história do skate... esperamos que você tenha curtido!


Ainda não faz parte da família Repé? Se inscreva na nossa newsletter, receba todo nosso conteúdo sobre skate e ainda um desconto na faixa pra você usar em qualquer produto da Repé Skate Store!





64 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo